08 março, 2017

SOS MULHER

Feliz dia internacional da MULHER! Este é um grande símbolo das conquistas femininas e por isso devemos valoriza-lo. No último post dei algumas ideias do que poderão fazer neste dia (aqui), mas é importante também falarmos da prevenção. 



CANCRO DA MAMA
Numa fase inicial, não existem sintomas. É importante que conheças o teu corpo e qualquer coisa fora do normal, deverás dirigir-te a um médico. 

(Sintomas):
*Palpação de nódulo ou aumento da espessura da mama;
*Palpação de aumento de nódulo de consistência dura na zona da axila;
*Alterações na cor da pele da mama, por exemplo, presença de zona avermelhada;
*Alterações no tamanho da mama;
*Alterações na cor e/ou na textura do mamilo;
*Presença de líquido no mamilo sem nenhuma razão que o justifique;
*Retração do mamilo (mamilo metido para dentro).

A escolha do tratamento tem a ver com o estado da doença. Existem várias formas de tratamento, a cirurgia, radioterapia, quimioterapia,etc...


CANCRO DO COLO DO ÚTERO
O cancro de colo uterino é um tumor que acomete a porção inferior do útero, chamada colo. Não tendem a provocar dor ou outros sintomas. É importante não esperar até surgirem dores para consultar o médico. Quando a doença se agrava, a mulher pode apresentar alguns sintomas que seguem abaixo.

(Sintomas):
*Hemorragia vaginal anormal;
*Hemorragia entre períodos menstruais regulares;
*Hemorragia após relação sexual, irrigação vaginal ou exame pélvico;
*Períodos menstruais mais prolongados e intensos do que anteriormente;
*Hemorragias após a menopausa;
*Aumento do corrimento vaginal;
*Dor pélvica;
*Dor durante as relações sexuais.

Os tratamentos são os mesmos que no cancro da mama. Em qualquer estado da doença, as mulheres com cancro do colo do útero podem ser medicadas no sentido de controlar a dor e outros sintomas, para aliviar os efeitos secundários dos tratamentos e para atenuar problemas práticos e emocionais.


DEPRESSÃO
Além dos sintomas psicológicos tão conhecidos da depressão existe um grupo de sensações físicas que também cursam com a doença. Se não for tratada, a depressão agrava-se causando sintomas que nem sempre são relacionados à doença.

(Sintomas)
*Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia;
*Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas;
*Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em actividades anteriormente consideradas agradáveis;
*Desinteresse, falta de motivação e apatia;
*Falta de vontade e indecisão;
*Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio;
*Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte;
*A pessoa pode desejar morrer, planear uma forma de morrer ou tentar suicídio.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Também o acompanhamento com um profissional é importante para a ultrapassar o problema.


OSTEOPOROSE
A Osteoporose é frequentemente chamada de “ameaça oculta”. Pode decorrer muitos anos de uma forma insidiosa sem que o doente se aperceba que sofre de Osteoporose. As fracturas que mais vezes decorrem no decurso desta doença são: vértebras, anca e antebraço.

(Sintomas)
*Dor nos ossos e articulações;
*Fragilidade óssea, que aumenta o risco de fratura;
*Ocorrência de fraturas, principalmente das vértebras da coluna e fémur.
*Diminuição da altura em 2 ou 3 centímetros;
*Ombros descaídos em corcunda.

O tratamento para osteoporose é feito para evitar as fracturas e deve ser feito durante a vida toda, incluindo: usar os remédios prescritos pelo médico, ingerir diariamente alimentos ricos em cálcio como leite, queijo e iogurte, evitar o consumo de álcool, cafeína e não fumar, entre outros.


ALZHEIMER
Esta deterioração tem como consequências alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida diária. Existem dois tipos: a esporádica e a familiar. A esporádica é a mais conhecida, enquanto que a familiar é a menos comum na qual a doença é transmitida de uma geração para outra.

(Sintomas)
*Dificuldades de memória persistentes e frequentes, especialmente de acontecimentos recentes;
*Apresentar um discurso vago durante as conversações;
*Perder entusiasmo na realização de atividades, anteriormente apreciadas;
*Demorar mais tempo na realização de atividades de rotina;
*Esquecer-se de pessoas ou lugares conhecidos.

Até à presente data não existe cura para esta doença. No entanto, existem algumas medicações que parecem permitir alguma estabilização do funcionamento cognitivo nas pessoas, nas fases ligeira e moderada. Os medicamentos também podem ser prescritos para sintomas secundários, como inquietude e depressão, ou para ajudar a pessoa a dormir melhor.


VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
E por fim, todo o tipo de violência. Não é uma doença mas é uma preocupação que ainda hoje afecta milhares de pessoas. Neste caso, falarei apenas da violência com as mulheres devido ao tema do post. 

(Como saber se és vítima de violência doméstica?)
*Ter medo do temperamento da pessoa e da forma como ela possa reagir, sobretudo em situação de discórdia; 
*Sentir que a outra pessoa ridiculariza e subestima aquilo que lhe diz, fazendo-o sentir inferior;
*A outra pessoa humilha-o à frente dos seus amigos ou de outras pessoas;
*Sentir que está sob ameaça, ainda que implícita, o que inibe de se comportar como seria a sua forma comum de o fazer;
*Ser vítima de agressão ou ameaça de agressão de qualquer tipo (por exemplo, pontapé, palavrões ou chantagem);
*Inibir-se de estar com amigos, família ou outras pessoas, por medo da forma como a outra pessoa irá reagir;
*Ser forçado a manter estilos de comportamentos que vão contra a sua maneira de ser, de forma a evitar conflitos com a outra pessoa;

(O que fazer?)
*Ligar para números de emergência especializados como o Serviço de Informação às Vítimas de Violência Doméstica (800 202 148) ou a Linha de Emergência Social (144);
*Dirigir-se a uma unidade de apoio à saúde, sobretudo em situação de violência física, mesmo que julgue não ter marcas da violência exercida;
*Denunciar o crime em qualquer esquadra da PSP ou posto de GNR, ainda que fora da sua área de residência, podendo para isso solicitar o apoio a entidades como a Casa Qui;
*Procurar proteção legal, caso se verifique essa necessidade, podendo solicitar ao Estado Português a nomeação de um advogado ou a outras entidades que disponibilizem esse serviço.

Se souberes de algum caso, é importante informares as autoridades!



 O objectivo deste post foi informar e ajudar. Mantém-te atenta a todos os sintomas que referi e não tenhas medo de lutar! Um grande beijinhos a TODAS AS MULHERES! Somos umas lutadoras!

Com amor,

12 comentários:

  1. Nossa adorei bastante o teu post supre completo
    feliz dia
    Beijinhos
    CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. Excelente post, muito bem!
    Estás de parabéns, porque nós temos que saber todas essas coisas, ter atenção e cuidar-nos!


    Beijinhos,
    http://www.pirilamposemarte.com/

    ResponderEliminar
  3. Nunca é demais repetir estes avisos e alertar para que não esqueça. Passamos os dias a correr e desleixamos ! beijinhos
    Coco and Jeans by Marisa x My Instagram x My Bloglovin

    ResponderEliminar
  4. O dia da mulher é todos os dias <3 Adorei conhecer o teu blog, um beijinho, segui *

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim! Mas o objectivo deste post foi alertar :)
      Obrigada querida!
      Beijinho*

      Eliminar
  5. Excelente post, nunca é demais chamar a atenção para a necessidade de estarmos atentas aos sinais do nosso corpo. Já uma vez apanhei um pequeno susto porque numa consulta de rotina me foi detetada uma ferida no colo do útero que poderia indicar a presença do cancro, tive de fazer biópsia e felizmente foi negativa, mas tive de fazer vários tratamentos porque esse tipo de feridas, se não forem tratadas, podem dar origem a carcinomas. Mas o mais assustador foi que não tinha tido sintoma nenhum, se não fosse aquela consulta de rotina...

    Beijinho <3

    Lina Soares
    Trinta por uma linha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uiiii, ainda bem que não foi grave, querida! Mas sim, se não fosse essa consulta...
      Que seja de exemplo para todas! Obrigada por partilhares a tua história!
      Beijinho*

      Eliminar